Realizar atividades de Coaching, dentro de contextos organizacionais e em situações de liderança, pode necessitar de abordagens um pouco mais diretivas…

Imagine que você tenha dois colegas com comportamentos bem distintos: 1) Amanda, que possui grande experiência na função e encontra-se engajada no trabalho, demonstrando estar motivada para desempenhar suas funções. 2) Leonardo, que demonstra grande entusiasmomas é novo na Empresa e está aprendendo muito em sua nova função.

No caso fictício, os dois funcionários encontram-se frustrados com projetos recentes que lhes foram delegados. Amanda, em uma conversa com seu gerente, explicou que os “conselhos” que ele estava fornecendo para ela, estavam sendo muito “paternalistas” e que não tinha espaço para criatividade. Já, Leonardo, estava encontrando sérias dificuldades para realizar o que o mesmo gerente estava delegando para ele.

Neste cenário, a Matriz de Habilidades e Motivação pode ajudar a resolver estas questões, apontando o estilo mais indicado de abordar Amanda e Leonardo, utilizando abordagens de  Liderança Coach.

Nesta contexto, buscarei sintetizar a Matriz proposta por Max Landsberg, autor do livro “O Tao of Coaching“, de 2003.

A matriz apresentada serve para pensar sobre os níveis de Habilidade e Motivação, para cada pessoa em particular. A partir disso, escolhe-se a melhor abordagem para utilizar a Liderança Coach.

Dividida em quatro quadrantes, cada área específica reflete a abordagem mais adequada para cada caso. Vejamos:

Matriz de Habilidade e Motivação

DIRECIONAR: 

Ao identificar que o colega encontra-se com baixa motivação e não possui habilidades suficientes para desempenhar as atividades propostas, deve-se ter uma abordagem mais diretiva.

Neste caso, o Líder Coach terá de dedicar mais tempo e esforço para que os resultados esperados sejam atingidos. Criar metas claras e monitorar constantemente o progresso, encorajando conversas sobre os prazos e procedimentos, define a abordagem para este quadrante. Considerando que deve-se ainda, deixar claro que, a qualquer momento, pode ser solicitada ajuda – caso o coachee esteja com dificuldades no desempenho das atividades.

MOTIVAR: 

Quando a pessoa possui as habilidades necessárias para desempenhar as atividades, masdemonstra baixa motivação para execução, deve-se buscar entender o que pode alterar esse quadro. É importante salientar que a identificação dos níveis de habilidade e motivação são essenciais para a continuidade dos trabalhos.

Existem vários fatores que podem [des]motivar as pessoas. Porém, nada substitui uma conversa franca a respeito dos aspectos que podem ser melhorados.

Líder Coach, pode utilizar ferramentas específicas para mapear estas necessidades. Uma vez identificados os fatores motivacionais, deve-se explorar as atividades fazendo uma ligaçãocom as necessidades do funcionário.

Por exemplo, se o Líder Coach identifica que um dos motivadores do coachee é a responsabilidade, deve-se salientar onde tal motivador estará presente na função ou projeto com baixa entrega. Ainda, salientar que mais atividades assim surgirão a medida que os trabalhos avançam, pode potencializar este desempenho.

Durante as conversas estruturadas podem ser explicitados quais elementos afetam negativamente a atividade desempenhada. Neste momento, traçar planos de ação para superar estes desafios devem ser construídos em conjunto: de que forma o Líder Coach, pode minimizar estes obstáculos? Como o funcionário pode contribuir para superar estes desafios?

GUIAR: 

Ao identificar que o coachee possui poucas habilidades mas encontra-se altamente motivado, o Líder Coach deve explorar oportunidades onde o funcionário possa desenvolver as competências necessárias. Em seguida, potencializar sentimentos de confiança com relação à atividade… Para tanto, acompanhamentos e feedbacks constantes, buscando salientar a melhora percebida trarão o desempenho esperado.

No entanto, para que estas habilidades sejam desenvolvidas e consolidadas, elas devem ser aprendidas. Sobre isso, salienta-se que modelos de aprendizagem distintos podem facilitar ou dificultar esta evolução. Incentivar e descobrir qual o melhor modelo de aprendizagem preferido é fundamental para o sucesso neste quadrante.

DELEGAR: 

As relações de liderança neste quadrante, onde há alta motivação e alta habilidade, exige menos do Lider Coach. Este, irá atuar mais como um mentor, deixando claro qual o caminho deve ser seguido.

Neste ponto, o coachee deve ser incentivado a pensar sobre como melhorar seu desempenho. O Líder Coach deve ser claro sobre as responsabilidades delegadas, mostrando-se disponível para brainstorms que possam beneficiar o processo de desenvolvimento profissional e pessoal do funcionário.

RESUMO: 

  • Baixa Habilidade & Baixa Motivação -> DIRECIONAR.
  • Alta habilidade & Baixa Motivação -> MOTIVAR.
  • Baixa Habilidade & Alta Motivação -> GUIAR.
  • Alta Habilidade & Alta Motivação -> DELEGAR.

Para cada estágio e quadrante, deve-se ter uma abordagem mais ou menos diretiva no processo de coaching, buscando sempre maximizar o desenvolvimento do outro, evitando conflitos de interesse que possam surgir nos últimos estágios do processo.

Se você quer tornar-se Líder Coach, potencializar e desenvolver sua equipe, venha participar
desta turma que inicia 11 de agosto. Inscreva-se já e garanta sua vaga com 25% de desconto à vista. 

Informe seus dados que entraremos em contato

13 + 12 =

× Fale pelo Whatsapp