Hoje muitos falam e querem ser coach. Como uma avalanche esse novo “profissional” entrou no mercado com força total.

Grandes instituições trazem o coach como algo mágico, revolucionário, que salva e transforma a vida das pessoas da noite para o dia, e mais… que é uma forma de ganhar muito dinheiro, com horário flexível, trabalhando em casa no que gosta.

Acredito que sim! Pode ser muito disso, mas nada mágico! Exige muita dedicação, estudo, muito cuidado e responsabilidade… estamos falando da vida das pessoas, carreira, família, sonhos e tudo o que eles representam.

Ser Coach

Na minha percepção ser coach é antes de tudo um estilo de vida. É aplicar no nosso dia a dia os pressupostos intrínsecos ao papel.

Escuta ativa vai além dos clientes, é escutar nossos filhos quando caem e se machucam e entender que sim, está doendo muito.

Que quando brigam com a irmã ou o colega da escola, ele “nunca mais” vai ser seu melhor amigo, e isso dói muito também.

Não é bobagem, é real para eles.

É escutar nossos pais em seus modelos mentais muito diferentes dos nossos, respeitar seu ponto de vista, eles fizeram o melhor dentro do que era possível para eles, com as informações que tinham, sem culpá-los hoje pelos nossos insucessos.

É estar na reunião de condomínio ou no grupo de mães da escola e ajudar a focar na solução, e não ficar alimentando as discussões e problemas que surgem.

É estar no ambiente de trabalho, buscar entender os diferentes pontos de vista e saber que mesmo que algumas pessoas pensam diferente, não é nada pessoal, são modelos mentais que podem inclusive, serem complementares.

É entender que nem tudo é da forma que queremos, ou acreditamos ser o mais correto, que cada pessoa tem o poder de fazer suas escolhas e saber respeitar e lidar da melhor forma possível com isso.

Ser coach é um desafio diário de olhar para si mesmo, enfrentar seus medos, seu lado sombra e buscar corajosamente a luz para si mesmo.

Avançar em busca do seu sonho com graça e leveza se permitindo também relaxar, e aceitar seus deslizes como parte do processo de aprendizagem.

Desafios do Coach

Trabalhar na área exige um aperfeiçoamento constante. Penso que um grande desafio é filtrar tanta informação e realmente estar próximo de instituições que estejam alinhadas com os nossos princípios, valores e forma de trabalho.

Existem varias abordagens e linhas metodológicas, como não se trata de uma profissão regulamentada, fica difícil de avaliar se são certas ou erradas, são apenas diferentes abordagens.

No intuito de criar alguma sinergia entre as várias metodologias, em 1995 foi fundada a ICF – International Coach Federation.

Associação independente, multicultural e inclusiva, sem fins lucrativos, que estabelece politicas e padrões éticos e técnicos para a profissão de coach através do credenciamento de profissionais e da acreditação de formações e treinamentos.

Atualmente  está presente em 140 países, conta com mais de 30.000 associados, mais 21.000 coaches credenciados.

Investimento

Atuar na área também demanda muito investimento tanto financeiro quanto de tempo. Os valores são altos de cada formação, além viagens, hotéis, alimentação, livros.

Fica difícil contabilizar financeiramente quanto recurso já investido desde a primeira formação em 2003.

Se valeu a pena? Sim! Trabalho na área, mas principalmente porque aplico todo conhecimento na minha vida.

Dicas para os coaches recém formados

Cases de sucesso: muito importante fazer atendimentos pro-bono como forma de internalizar a metodologia e começar a registara os cases de sucesso que além de ajudar na auto confiança em atuar profissionalmente, podem ser utilizados como forma de divulgação para novos clientes.

Desenvolvimento Constante: estar constantemente atento a novos recursos e ferramentas, mas principalmente como forma de auto desenvolvimento. Acredito que ser um exímio coach exige ser uma pessoa mais alinhada e coerente consigo mesmo e com seu propósito.

Buscar uma associação – sugestão ICF: Estar junto de pessoas que compartilham dos mesmos pressupostos é muito enriquecedor. Atuar como coach pode ser um trabalho solitário, mas também pode ser um processo de co-criação junto a uma associação ou grupo de pessoas afins. A ICF é uma ótima dica para quem está em busca deste lugar, pois dispõe de desenvolvimento constante e de um código de ética que reforça os princípios de um trabalho diferenciado.

Mentoria e Supervisão: buscar de apoio de mentores para os processos a fim de desenvolver cada vez mais as competências fundamentais de um coach e também utilizar os recursos de supervisão, para alinhar as questões que acabam ficando subliminares no processo, muitas vezes de transferência e contratransferência.

Comprometimento e Responsabilidade: busque atuar com comprometimento, estabelecendo e cumprindo os acordos e contratos estabelecidos, mantendo o sigilo e a confidencialidade dos processos, seja coerente com as promessas e garantias de resultados. Os processos são de co-criação, também dependem do coachee.

Grande Abraço,
Deisi Nara Bierende.

×

Powered by WhatsApp Chat

× Fale pelo Whatsapp