Um tema recorrente no meio empresarial é trata sobre o relacionamento interpessoal, e principalmente em recrutamento e seleção, se refere às competências que uma pessoa deve ter para preencher alguns requisitos para a função desejada.

Independente de qual seja a função, é provável que Relacionamento Interpessoal seja uma delas.

Mas você sabe o que significa? E como desenvolver esta competência?

Relacionamento Interpessoal se refere a nossa interação com outras pessoas na sociedade, em especial no ambiente de trabalho, como nos comportamos e interagimos nas situações diárias, desde as mais simples as mais adversas, e a comunicação é uma peça fundamental disso.

Desenvolver essa habilidade é extremamente desafiador, na medida em que as pessoas são complexas, tem crenças, valores e histórias diferentes, e consequentemente pontos de vista diferentes, e desta forma nem sempre estão alinhadas referente a melhor escolha a ser tomada, ou ao caminho a ser seguido, ou mesmo como executar uma determinada tarefa… e ai começam os problemas de relacionamento.

O Relacionamento Interpessoal no ambiente de trabalho

O local onde trabalhamos deve ser o mais harmônico possível.

A produtividade no espaço corporativo está fortemente atrelada a um ambiente positivo e cada membro da equipe tem seu papel para que esse resultado seja atingido pelo todo.

Tem pessoas que chegam de “bem com a vida no trabalho”, gostam do que fazem, se sentem bem, chegam dando bom dia a todos, com leveza, conversam sorrindo, são generosas em ajudar e também sabem pedir ajuda com jeito quando precisam, falam de forma a buscar a integração do grupo, sabem escutar e dar o limite quando é preciso, de forma eficaz e assertiva, sabem dizer “não” ou negociar prazos.

São pessoas que entregam resultados e são agradáveis de estar próximo.

E também tem aqueles que chegam com uma “nuvem preta” sobre a cabeça todos os dias no trabalho, carrancudos, usam um tom de voz agressivo ao falar, provavelmente estão cumprindo uma tarefa por obrigação ou tem um alto grau de exigência que as “coisas devem ser do seu jeito” e qualquer um que faça ou pense diferente, está fora! São pessoas “difíceis” de conviver, com baixa tolerância, mais ríspidas.

Podem até entregar resultados, mas pagam um preço emocional alto por isso e acabam afastando as pessoas de perto.

Como seres humanos influenciamos e somos influenciados, dessa forma, ter um bom relacionamento interpessoal com o primeiro perfil se torna fácil, nosso desafio é aprender se relacionar com o segundo e poder influencia-lo a um processo de mudança, seja pelo modelo, pelo resultado ou mesmo por ajuda-lo a perceber o desgaste que ele está gerando na equipe. Uma coisa é certa, o caminho para chegar neste lugar é o autoconhecimento.

Relacionamento interpessoal - Autoconhecimento

Autoconhecimento

O autoconhecimento é a chave para o aprimoramento de nosso relacionamento interpessoal.

Conhecermos a nós mesmos, em nossos gostos, forças, fraquezas, sabermos o que nos motiva e o que desmotiva, observar o que estamos sentindo e porque, o que estamos dizendo para nós mesmos em determinadas situações, identificar nossas crenças, modelos, valores.

Todo esse processo é uma forma de apurarmos o nosso relacionamento interpessoal.

Quando nos conhecemos sabemos o que nos causa alegria ou tristeza, desta forma podemos lidar melhor com nossos medos, angústias e decepções.

Como não conseguir a promoção desejada, ter o desejo de ir viajar no final de cada ano e não conseguir porque não sobrou dinheiro o suficiente, escolher onde investir o dinheiro guardado sem medo, são situações que uma pessoa que se conhece tende a lidar com mais facilidade.

Pessoas inseguras costumam não se conhecerem muito bem. Para se conhecer, é preciso permitir se experimentar, tentar coisas novas, não ter medo de errar porque decidirá por um novo caminho.

As frustrações fazem parte da vida e o autoconhecimento eleva a estima, tornando decisões difíceis mais assertivas.

O autoconhecimento é transformador. A medida que nos conhecemos, podemos partilhar com o outro nossas experiências e trocar ideias.

Temos consciência de nossas escolhas e deixamos de viver em uma espécie de “piloto automático”.

Quando fazemos escolhas conscientes, assertivas, tendemos a ter menos arrependimentos na vida. Avaliando prós e contras de nossa decisão, optamos pelo que acreditamos ser melhor.

Pensamentos divergentes

Ter ideias destoantes do resto do grupo é normal e saudável. Faz parte da vida pensar diferente. Ideias diferentes se complementam, criam novas ideias e mudam para melhor projetos!

Ninguém deve temer manifestar sua opinião, por não ser exatamente como a dos demais.

Seja em um círculo de amigos, o que é muito comum, que pessoas de gostos e pensamentos distintos se complementem em noções diferentes a respeito do mesmo tema.

O mais importante é sempre respeitar a opinião dos demais. Julgamentos precipitados interferem em seu relacionamento interpessoal.

Um bom exercício para aprendermos a aceitar opiniões divergentes da nossa é ouvir outras pessoas.

Perguntar algo sobre um tema que achamos interessante e ouvir a opinião de quem perguntamos. Perceberemos que em algum ponto não vamos concordar, mas tudo bem, certo? Descordar, com educação, é normal e saldável.

Nos auxilia a ampliar nossos contatos em outras áreas, ou com outras visões de mundo.

Julgamentos precipitados

Julgar sem ter plena certeza do que se está falando, sentenciando, é condenar seu relacionamento interpessoal.

A qualidade em suas ações e sentimentos é determinante para o ambiente onde convive, desta forma, julgamentos precipitados de ações que você não compreendeu em outras pessoas apenas causam mal estar a você e o ambiente que divide.

Costumamos julgar, para nos distanciarmos de um problema, mas é essencial nos responsabilizarmos por nossos atos.

Ou seja, se não concordamos com a atitude de alguém então o melhor é lembrar de não fazer o mesmo, ao invés de sair comentando com outras pessoas a respeito do ocorrido.

No local de trabalho, por exemplo, comentar a atitude que consideramos equivocada de alguém, com outro colega é tão ruim quanto o fato comentado em si, poderia ser. Um julgamento precipitado, pode ser uma fofoca.

Antes de mais nada, devemos conhecer a nós mesmos, assim, será mais fácil perceber o que nos incomoda no outro a ponto de julgá-lo.

Muitas vezes, repreendemos a atitude de alguém sem nos darmos conta que em situações semelhantes a julgada, poderíamos estar agindo da mesma forma.

É mais fácil apontar o que o outro fez e nos tiramos de cena, apenas como espectadores do ocorrido, porém, vale refletir se não estamos condenando algo porque se parece com nossa próprias ações e desta forma gostaríamos de mudar e agir diferente.

Evite fofocas

Um bom relacionamento interpessoal vai de nosso network, mas como manter contatos sem perder tempo falando mal de alguém?

Fofocar, implica em falar algo de outra pessoa, com efeito negativo, sem seu conhecimento. Quando fazemos isso estamos ferindo o nosso relacionamento interpessoal.

Intrigas e falar de outras pessoas em sua ausência apenas enfraquecem relações. Sejam elas em ambiente de trabalho, com colegas em sala de aula ou amigos íntimos.

O relacionamento interpessoal baseia-se em tratar educadamente as pessoas com quem convivemos e lidar com situações de adversidade, sem transpor responsabilidades.

Responsabilidade pessoal

Admitir erros e trabalharmos nossas dificuldades, é um passo para nosso autoconhecimento e para o êxito no relacionamento interpessoal.

Sabermos lidar com resultados que não saíram como gostaríamos, com retornos negativos, e com situações inesperadas, a partir de soluções que levem ao mesmo ao a um resultado ainda melhor do que o esperado.

Adversidades são comuns em nosso cotidiano. Se trata de situações que não esperávamos e precisaremos encontrar um modo de resolver, transformando o que seria um problema, uma dificuldade, em uma oportunidade de aprendizado e de crescimento.

Nossa evolução moral depende muito de aprendermos a sermos pessoas responsáveis. Seja no ambiente corporativo, quando algo não da certo. Com nossos próprios amigos. Em nossa família.

O ambiente de trabalho pode ser um lugar muito competitivo, às vezes. A medida que evoluímos neste local e compreendemos melhor nossas funções do dia a dia somos mais visados, o que algumas vezes pode gerar conflitos de interesse.

É essencial que a equipe esteja em harmonia e se relacione bem. Um grupo sintonizado, que conversa e conhece os pontos fortes de cada um trabalha junto. Assim como a relação empregado e empregador.

Nem todas as pessoas se sentem à vontade para conversarem com seus chefes abertamente sobre situações que consideram pertinentes e que poderiam acrescer no ambiente profissional.

Um líder que consegue se comunicar franca e abertamente com sua equipe tende a ter maior êxito em suas metas, pois serão construídas sobre pilares de confiança e parceria.

Onde as opiniões serão ouvidas, as sugestões ganharão espaço e as reuniões terão maior participação de todos, sem o medo de serem reprimidos ou repreendidos.

Grande Abraço,
Deisi Nara Bierende.

×

Powered by WhatsApp Chat

× Fale pelo Whatsapp